recife resiste!


CARTA DO MOVIMENTO DE EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA AO GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO.
15/06/2010, 23:16
Filed under: carta | Tags: , , , , , , , , ,

Exmo. Sr. Governador do Estado de Pernambuco

Sr. Eduardo Campos

Prezado Senhor

Nós professores/as gestores/as e lideranças dos povos indígenas Kambiwá, Kapinawá, Truká, Pipipã, Xukuru, Pankará, Pankararu, Entre Serra Pankararu, Pankaiuká e Atikum reunidos no Encontro da Comissão de Professores Indígenas de Pernambuco – Copipe, no período de 04 a 06 de junho de 2010, para avaliar a situação em que se encontra o atendimento educacional da secretaria de educação aos nossos povos, viemos informar e exigir de Vossa Excelência providências para situação que descrevemos abaixo.

As escolas indígenas do estado de Pernambuco foram estadualizadas em 2002. O motivo que levou lideranças e professores a reivindicarem que a Secretaria Estadual de Educação ficasse responsável pela oferta e execução da política de educação escolar indígena no Estado, foram as perseguições que vinhamos sofrendo dos municípios por questões ligadas a luta pela terra e pela política partidária.

Antes disso, em setembro de 1999, o Conselho Nacional de Educação publicou a Resolução n° 03, onde afirma que a educação básica para os povos indígenas deve ser responsabilidade das secretarias estaduais de educação e que os indígenas e suas comunidades devem ser ouvidos nos processos de planejamento e execução. Este princípio está confirmado pela Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho-OIT1, fato que nos deu respaldo legal em nossas reivindicações e decisões.

Desde então, o movimento de professores vem lutando para que a secretaria estadual de educação cumpra a legislação que trata da educação escolar indígena no país. Para exemplificar como a lei não está sendo cumprida, até hoje a secretaria estadual de educação não cumpriu a meta 15 do Plano Nacional de Educação-Lei n° 10.173 de 2001. Esta lei estabelece o prazo de dois anos para ser “instituído e regulamentado nos sistemas estaduais de ensino, a profissionalização e o reconhecimento público do magistério indígena, com a criação da categoria de professor indígena como carreira específica do magistério, com concurso de provas e títulos adequados às particularidades linguísticas e culturais das sociedades indígenas”.

Para o senhor ter uma ideia até hoje, a situação de professores/as indígenas continua de forma irregular. Fato que levou o estado de Pernambuco a assinar o Termo de Ajuste de Conduta-TAC, n° 01/08, junto ao Ministério Público Estadual, que já teve seu prazo esgotado em dezembro de 2009, o mesmo estabelecia que fosse realizado um concurso público específico para atender a demanda da educação escolar indígena no Estado, e até hoje nada foi encaminhado.

Além dessa situação, outros problemas atingem as nossas escolas, que agora passamos a relatar:

  • Até hoje, não foi criada a categoria “professor indígena”, ocasionando que os direitos trabalhistas dos(as) professores(as) não são respeitados.;
  • Falta a conclusão do processo de elaboração do currículo intercultural;
  • Não há respeito aos modelos de Projetos Políticos Pedagógicos elaborados pelos povos;
  • Há uma clara discriminação e autoritarismo de alguns técnicos da SEDUC e GRES aos educadores (as) indígenas. Os comentários que correm nos corredores das GRES são de desconfianças acerca de nossa ética e competência profissional;
  • Não há transparência na hora de tentar resolver as pendências dentro dos povos;
  • Auxiliares, merendeiras e professores trabalhando há dois anos e meio sem ter sua situação regularizada;
  • Possibilidade de as escolas novas terem que fechar por falta de funcionários;
  • Recursos destinados à Educação Escolar Indígena, usados para outros fins;
  • Existem construídas recentemente, que estão funcionando há um ano e meio em precárias condições, sem carteiras escolares, tendo os estudantes, que assistir aulas no chão, ou ainda desistindo de estudar;
  • Na maioria dos povos, a merenda escolar não chega, e em alguns, quando chega, não vai até o seu destino final, cabendo aos povos, com seus próprios recursos, providenciar a sua distribuição;
  • Em alguns povos não foram construídas ou reformados prédios escolares. E, mesmo que, na maioria dos povos tenham sido construídas e ampliadas escolas ainda há em todos os povos situações de riscos e de desabamentos de prédios. Portanto, faz-se necessário que haja discussão com os povos, para estudar quais as reais necessidades de construção, criação e ampliação de novas escolas, resolvendo inclusive os problemas dos anexos;
  • Uma prefeitura, cujo Prefeito é da sua base aliada, fechou duas escolas em área indígena, impedindo que alunos e professores tenham acesso aos prédios, foram solicitadas providências tanto ao Ministério Público, quanto a Secretaria Educação, e até agora o problema continua sem solução, levando a comunidade a resolver a questão com as suas próprias condições;
  • As escolas indígenas continuam em situação irregular, ferindo inclusive a meta sete (7) do PNE2;
  • Desrespeito à autonomia dos povos, interferindo nas formas como nossa organização social toma decisões. Por exemplo, tivemos acesso a uma minuta de Instrução Normativa para Educação Escolar Indígena, que esta sendo elaborada pela SEDUC sem anuência das comunidades. Essa normatização estabelece entre outras coisas, o quantitativo e a carga horária dos profissionais que devem trabalhar nas escolas; outro exemplo, é que a SEDUC está substituindo coordenadores e representações dos nossos povos em diversas instâncias de participação, o que fere a Constituição brasileira de 1988, a Convenção 169 da OIT e as demais leis que tratam dos povos indígenas do Brasil.

Diante desses problemas que são causados pela Secretaria Estadual de Educação do seu Governo, queremos:

  • Que seja encaminhado, imediatamente, para a Assembleia Legislativa o Projeto de Lei que cria a categoria de professor indígena, que foi discutido e aprovado no Conselho de Educação Escolar Indígena;
  • Que seja criado, imediatamente, um grupo de trabalho, que inclua especialistas em educação escolar indígena, para que seja encontrada uma solução tendo em vista a situação dos educadores indígenas que terão seus contratos vencidos em dezembro de 2010 ;
  • Que no prazo de cinco(5) dias, a partir de hoje, seja resolvido o problema das merendeiras e auxiliares de serviços gerais, considerando a demanda e justificativa de cada povo;
  • Que sejam asseguradas as reuniões da Comissão de Professores Indígenas de Pernambuco – COPIPE com a secretaria estadual de educação para solucionar problemas , no âmbito da educação, que ocorrem nos povos;
  • Que sejam definidos e acordado prazos, nessa reunião, para solucionar os outros itens de nossa reivindicação ;
  • Que seja criada uma Gerencia Regional de Educação Escolar Indígena com técnicos sensíveis a problemática para tratar da Política de Atendimento Educacional aos nossos povos.

Território do povo Pipipã de Kambixuru, 06 de junho de 2010

1. A Convenção 169 afirma que os povos indígenas tem o direito de serem consultados de boa-fé, mediante procedimentos apropriados e por meio de suas instituições representativas com relação a decisões susceptíveis de afetá-los diretamente, inclusive com relação a medidas administrativas ou legislativas, assim como sobre planos de desenvolvimento

2A meta 7 da Lei 10.172 de 2001 diz: Proceder, dentro de dois anos, ao reconhecimento oficial e à regularização legal de todos os estabelecimentos de ensino localizados no interior das terras indígenas e em outras áreas, assim como a constituição de um cadastro nacional de escolas indígenas.

Anúncios

1 Comentário so far
Deixe um comentário

Na aldeia Pankararu, que é a minha aldeia não ha ausencia de profissionais para trabalhar, muito pelo contrario ha muitos jovens formados desempregados porque ninguem lhe deu oportunidade para se engressar em um serviço. O que acontece na verdade em Pankararu é nepotismo.Ou só pôe para trabalhar as pessoas que lhe demonstram afinidade.O que precissa ser feito mesmo é um concurso, que só assim todos teram opurtunidade de se engressar numa profissão.

Comentário por maria audeni




Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: