recife resiste!


Pernambuco: A luta dos operários de Suape
11/04/2011, 11:55
Filed under: notícias | Tags: , , ,

A superexploração e ganância patronal, reforçada pela repressão desencadeada contra os operários no complexo industrial e petroquímico de Suape, não arrefeceu o ânimo e a combatividade dos trabalhadores.

Nos canteiros de obras, Odebrecht, Camargo Correia, Queiros Galvão, Galvão e Pampulha Engenharia, entre outras grandes empresas, imprimem ritmo desumano de trabalho.

Os operários denunciam constantes humilhações e abusos cometidos pelos patrões e capatazes das empresas nos canteiros:

— Somos chamados de cachorros por encarregados, gerentes e patrões — protesta  um operário na fila para o almoço, acrescentando em seguida — Quando reclamamos, do péssimo tratamento, das horas extras que quase nunca pagam e das péssimas condições de trabalho, eles gritam com a gente coisas como: “vocês eram cortadores de cana, passavam fome e hoje tem profissão e salário, tão reclamando de que? Até fardinha vocês tem.” Veja que absurdo! — indigna-se o trabalhador.

Solidariedade de classe

No dia 1º de março uma comissão de solidariedade esteve em Suape. Dela participaram o Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de Belo Horizonte, o Marreta; o Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos — Cebraspo; Movimento Estudantil Popular Revolucionário — MEPR; Liga Operária e Liga dos Camponeses Pobres de Pernambuco, entre outros ativistas do movimento sindical e popular.

Durante toda manhã AND percorreu os canteiros de obras junto à comissão. Ouvimos as denúncias dos trabalhadores, enquanto um grupo de operários distribuía panfletos entre os trabalhadores do complexo e debatia os caminhos da luta.

Através dos relatos dos operários de Suape, constatamos a cruel situação de exploração e o nível de opressão impostas pelas construtoras.

Enquanto percorríamos as obras, um operário telefonou para um membro da comissão de solidariedade e disse:

— O encarregado da Odebrecht chamou os trabalhadores que falaram com vocês em um dos canteiros e disse que não podíamos deixar o serviço para estar jogando conversa fora, que a partir de agora estava proibido falar com a comissão. Perguntou se nós conhecíamos vocês, falou que vocês eram “gente perigosa”. Ele também disse que se quiséssemos falar alguma coisa, tínhamos o “nosso” sindicato para isso, o Sintepav. Ele ameaçou os trabalhadores dizendo que “senão já sabemos o que pode acontecer”.

Na edição nº 75 de AND foi relatada a situação dos operários de Suape e sua luta. Os trabalhadores denunciaram que o Sintepav vem fazendo durante todo tempo um trabalho desagregador e pró-patronal, tendo acusado o dito sindicato de utilizar capangas contratados para reprimir protestos, tendo inclusive atirado contra operários e assassinado um deles, durante um protesto em 11 de fevereiro.

No dia 4 de março a comissão de solidariedade foi até o Hospital Português no Recife para visitar Tiago Ramos de Souza, operário ferido por um disparo na boca durante os protestos de 11 de fevereiro, quando os operários obstruíram a principal estrada de acesso ao complexo.

— A Odebrecht internou o operário nesse hospital, claro, para se livrar de processos trabalhistas ou criminais caso ele morra ou fique com sequelas. Também pretende descaracterizar a tentativa de assassinato do trabalhador tentando fazer passar seu ferimento à bala como sendo um “acidente de trabalho” — declarou Osmir Venuto, dirigente do  Sindicato dos Trabalhadores da Construção de Belo Horizonte-MG.)

— Crimes como esse são mais corriqueiros do que se imagina. Os patrões, contando com a cumplicidade de sindicatos pelegos, assassinam sistematicamente trabalhadores em todo o país nos seus canteiros. Impõem um ritmo frenético de trabalho e provocam uma verdadeira matança e mutilações de operários nos canteiros de obras — denuncia ainda Osmir.

No Hospital Português formos informados que “o paciente Tiago Ramos de Souza teria recebido alta médica, após ter passado por cirurgia, e que a assistente social da Odebrecht exigiu sigilo absoluto sobre o assunto, que não tinha mais nada a dizer”.

Fonte: A Nova Democracia

Anúncios

3 Comentários so far
Deixe um comentário

Isso é um absurdo. Como se esses trabalhadores não fossem humanos. Falar de fardinha? Enfia…
Td isso em nome do lucro…

Comentário por Jucélia

Sindicatozinho de merda. Pq precisamos deles? Pq não podemos nos auto-representarmos??? Estou farta dessa configuração, onde a maioria dos sindicatos, senão todos são coopatados, e atrelados aos moldes das vontades do patrão….E essas pessoas cruéis se formam aonde? Pra destratar tanto as pessoas. Isso é cruel, sujo e me enoja.

Comentário por Jucélia

não fossem operários, isso estaria no mínimo sendo dissecado e investigado em alguma mídia corporativa, as pessoas na sala de jantar “estarrecidas” com o absurdo. mas no fundo, se quer saber, completamente apáticas. isso é uma das coisas que mais me aborrece, só recebe valor o que tem status, se é uma estudante da ufpe ou filho de médicos ou seja lá o que for. sendo operários, eles só contam com a própria solidariedade e a de alguns poucos. comofas

Comentário por nina




Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: